Carajás Esporte

verde

Sheilla se despede do vôlei como bicampeã olímpica em ‘set final’ de sua carreira

Oposta faz jogo de despedida nesta sexta-feira, em Belo Horizonte, ao lado de personagens que participaram da sua trajetória

A carreira de uma das maiores jogadoras do vôlei brasileira chega ao fim. Sheilla Castro, de 39 anos, se despede do esporte nesta sexta-feira, no “set final” de uma trajetória vitoriosa. Pelo Minas Tênis Clube, a bicampeã olímpica deixa as quadras em um jogo de despedida especial, com a presença de participantes ilustres que a acompanharam ao longo dos anos.

Desde 2021, a oposta ensaiava uma despedida das quadras, que aconteceu em abril deste ano. Pela seleção brasileira, ela deu adeus na Liga das Nações. Em sua última passagem pelo Brasil, no Minas, integrou a comissão técnica da equipe, ainda como atleta. Para Sheilla, seu jogo de despedida, que acontece na Arena UniBH, às 19h, o evento terá um sabor especial.

“O Minas sempre foi a minha casa e estou muito feliz por ter a oportunidade de jogar na Arena pela última vez, perto da torcida e com grandes amigos em quadra. Fico emocionada só de pensar, então sou muito grata ao Minas por me proporcionar mais este momento tão especial”, afirmou. Agora ex-atleta, ela continuará a integrar a comissão técnica da equipe.

No que é chamado como “set final”, Sheilla será acompanhada de amigos, ex-companheiras e colegas, como Fernanda Garay, Fofão, Macrís, Serginho Escadinha e o treinador José Roberto Guimarães, que fizeram parte de sua vida ao longo de sua carreira. A atleta iniciou sua trajetória no vôlei em 1997, no Mackenzie, mas foi no Minas que conheceu seu primeiro título de Superliga, na temporada 2001/02.

No mesmo ano em que foi campeã pela primeira vez, Sheilla integrou a seleção brasileira de vôlei no Campeonato Mundial, em 2002. No ano seguinte, José Roberto Guimarães assumiu o posto no comando técnico, dando início à trajetória vitoriosa de Sheilla e do Brasil no vôlei.

Fonte: Esporte News

COMPARTILHE

Recomendado para você

alegria
Autor de dois gols no último jogo, Esli quer “transmitir alegria” quando entra em campo
invicto
Com derrota da Tuna, Paysandu é o único invicto do Campeonato Paraense
FPF
Caeté e Águia repudiam ataque racista contra o atacante Fidelis
Parazão
Júlio foca em “corrigir erros” da Tuna para reverter vantagem do São Francisco no jogo de volta das quartas