Carajás Esporte

verde

Negócios do esporte

Pouco conhecida e sem patrocínios antes de Tóquio, Rebeca Andrade escolhe marcas e ganha projeção mundial

Hoje associada a diversas empresas, ginasta contratou agência para cuidar da carreira logo após ouro olímpico, e passou de 100 mil para 2.4 milhões de seguidores em dias: "Não é deslumbrada", diz empresária

A vida de Rebeca Andrade sofreu uma profunda transformação em um período muito curto. De atleta olímpica praticamente desconhecida, no país e principalmente no cenário internacional, desacreditada após lesões, ela se tornou a principal personagem da ginástica artística no mundo no segundo semestre de 2021. Não tinha nenhum patrocínio pessoal ao desembarcar no Japão. Hoje, escolhe com qual marca quer se aliar.

Atualmente, além de uma grande campanha publicitária ainda não revelada que já está fechada para 2022, ela está vinculada a 12 marcas, entre patrocínios, publicidade e ações digitais. Os patrocinadores principais são Riachuelo e Ozone. Ela é garota-propaganda da Havaianas, fez campanhas recentes para Instagram e Spotify, e é embaixadora da Volvo, Vult, Lancôme e Neutrox. Isso sem falar em ações pontuais.

– A Rebeca, como qualquer atleta que eu trabalho, parece clichê falar que tem de fazer sentido, tem de combinar com os valores, mas não é. Para o negócio dar certo, tem de ter essa verdade. Chega muita coisa para ela, um volume muito alto. Então, as marcas que estão do lado dela, primeiro de tudo, respeitam como ela é, como ela pensa, tem essa sinergia. Se não tiver, não é só o meu papel, a decisão final é dela. E tem de ser dela. É óbvio que quando entramos mais em detalhe, segurança jurídica, pagamento, a gente tem uma equipe para isso. Mas o que quer fazer e o que não quer, essa decisão final é dela – disse Danielle Schneider, CEO da Agência de Atletas, que passou a cuidar da carreira da ginasta após a conquista do ouro olímpico neste ano.

Atleta do Flamengo, Rebeca foi a competidora olímpica mais pesquisada no Google em 2021. Em questão de dias, com a medalha em Tóquio, sua rede de seguidores pulou de pouco mais de 100 mil para 2.4 milhões no Instagram, por exemplo. Uma transformação que fez com que Rebeca, logo após subir ao pódio, decidisse contratar uma empresa para fazer a gestão do que estava por vir: assédio de fãs e mídia, ofertas de patrocínio e publicidade, e, é claro, dinheiro na conta. Hoje, ela conta com assessoria jurídica, financeira e orientação em todos os negócios que se dispõe a fechar.

– Foi depois da medalha (que a agência começou a trabalhar a carreira de Rebeca), ela não tinha ninguém. É um pouco diferente, porque começa do estágio onde o atleta quer chegar. Em termos de marcas, ela ganhou uma visibilidade muito grande. Ela é uma menina muito diferenciada, uma mulher muito diferenciada, muito consciente do papel dela, de como inspira as pessoas, e acho que ela é muito consciente da história dela, do que a trouxe até aqui. Então ela ganhou esse holofote e passou a ser ouvida, acho que essa é a grande questão. E aí, dentro desses atributos, de como teve o espelho da Daiane (dos Santos), como ela pode inspirar, tudo isso torna mais fácil a minha vida, a vida da nossa agência, que é prospectar as marcas e entender quem vai se associar – explicou a empresária.

O alcance da projeção internacional será melhor percebido quando a pesquisa já encomendada por Schneider for entregue, mas um evento em particular, para a empresária, dá a dimensão do prestígio da ginasta:

– A gente já encomendou uma pesquisa justamente para trazer esse impacto no mundo. O que posso dizer é que no momento que tem um convite da FIA para dar a bandeirada em Interlagos… Se parar para pensar, é a terceira brasileira que não tem a ver com automobilismo a dar a bandeirada. Teve antes o Pelé, a Gisele Bundchen. Primeira atleta brasileira a dar essa bandeirada e, antes dela, só teve uma no mundo que foi a Serena Williams (que deu a bandeirada em Mônaco, em maio deste ano). Então a partir do momento que um órgão internacional convida para dar a bandeirada em uma corrida tão importante como aquela, a gente entende que realmente virou uma celebridade internacional. No meio da ginástica ela era conhecida, era aposta de muita gente, mas reconhecimento de grande público não tem nem o que dizer.

(GE GLOBO)

 

COMPARTILHE

Recomendado para você

CABEÇA FRIA
Abel põe “cabeça fria” à prova para não ficar fora de eventual final da Libertadores com o Palmeiras
PALMEIRAS
Por que Jhon Jhon é a melhor opção para substituir Dudu hoje
Guardiola
Guardiola rasga elogios a Rico Lewis, joia do City: “Um dos melhores que treinei”
ORIENTE MÉDIO
Moisés é liberado pelo Londrina após receber proposta de time do Oriente Médio