Carajás Esporte

verde

Natação

Nicholas Santos faz história e é tricampeão mundial na natação

Brasileiro, aos 41 anos, supera rivais mais uma vez e conquista sua 11ª medalha em Mundiais

Nicholas Santos voltou a desafiar o tempo para fazer história. O brasileiro, campeão em 2012 e 2018, conquistou o ouro nos 50m borboleta nesta segunda-feira no Mundial de natação em piscina curta, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Aos 41 anos, crava seu nome mais uma vez entre os maiores com o tempo de 21s93. Dylan Carter, de Trinidad e Tobago, e Matteo Rivolta, da Itália, completaram o pódio.

– Não é fácil, foi uma prova muito forte. Essa final mostra quem segura a onda e quem não segura. Dei o meu melhor, não consegui bater o recorde mundial. Mas, aos 41 anos, isso mostra que a idade realmente é só um número. Quem se dedica, quem tem foco, consegue chegar lá. Não tem segredo, mas tem de abrir mão de muita coisa – disse o nadador.

Foi uma prova intensa desde o início. Tão forte que Szebasztian Szabo, da Hungria, maior rival de Nicholas, acabou fora do pódio, em quarto lugar. O brasileiro, porém, dominou a disputa desde o início para fincar seu lugar no topo do pódio.

Nicholas chega à 11ª medalha em Mundiais de piscina curta. Só Cesar Cielo, com 12, tem mais conquistas que o brasileiro na competição.

Revezamento fica em quarto no 4x50m medley

Na primeira prova do dia, por pouco a medalha não veio. No revezamento 4x50m medley, a equipe brasileira, formada por Gabriel Fantoni, João Gomes Jr., Vinícius Lanza e Gabriel Santos, terminou em quarto lugar, com o tempo de 1min31s91. Rússia e EUA, com 1min30s51, empataram em primeiro lugar, com a Itália levando o bronze.

João voltou à piscina um tempo depois para as semifinais dos 50m peito. O brasileiro, com 25s86, fechou com o quinto melhor tempo e avançou à briga por medalha, nesta terça-feira.

– Minha prova é difícil. Não posso errar nada, apesar de ter dado uma erradinha na ida. Agora é jogar todas as fichas e ir para cima. Vou me recuperar, dar uma soltada. Ver as análises de velocidade, frequência e montar a prova de amanhã. Não importa o tempo. Mas a gente sabe que, por uma medalha, precisa ser abaixo de 25s80.

Gabriel Santos também voltou à piscina para disputar as semifinais dos 100m livre. O brasileiro, porém, não conseguiu avançar à final: terminou em oitavo lugar na sua bateria, com 47s37.

Nas semifinais dos 100m borboleta, Giovanna Diamante nadou a 56s88. Foi a primeira vez que a brasileira conseguiu um tempo abaixo de 57s. Mas, ainda assim, não conseguiu avançar à disputa por medalhas.

– Estou feliz, primeira vez abaixo dos 57s. Estou satisfeita. É meu primeiro Mundial, estou muito feliz por estar aqui, participando.

Na final dos 400m medley, Brandonn Almeida ficou fora do pódio. O brasileiro terminou na sétima posição, com 4min08s77. Na última prova do dia, o revezamento 4x200m livre feminino, formado por Nathalia Almeida, Viviane Jungblut, Giovanna Diamante e Gabrielle Roncatto, terminou em sétimo lugar, com 7min51s87.

(GE GLOBO)

COMPARTILHE

Recomendado para você

CABEÇA FRIA
Abel põe “cabeça fria” à prova para não ficar fora de eventual final da Libertadores com o Palmeiras
PALMEIRAS
Por que Jhon Jhon é a melhor opção para substituir Dudu hoje
Guardiola
Guardiola rasga elogios a Rico Lewis, joia do City: “Um dos melhores que treinei”
ORIENTE MÉDIO
Moisés é liberado pelo Londrina após receber proposta de time do Oriente Médio