Carajás Esporte

verde

Natação

Nicholas Santos faz história e é tricampeão mundial na natação

Brasileiro, aos 41 anos, supera rivais mais uma vez e conquista sua 11ª medalha em Mundiais

Nicholas Santos voltou a desafiar o tempo para fazer história. O brasileiro, campeão em 2012 e 2018, conquistou o ouro nos 50m borboleta nesta segunda-feira no Mundial de natação em piscina curta, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Aos 41 anos, crava seu nome mais uma vez entre os maiores com o tempo de 21s93. Dylan Carter, de Trinidad e Tobago, e Matteo Rivolta, da Itália, completaram o pódio.

– Não é fácil, foi uma prova muito forte. Essa final mostra quem segura a onda e quem não segura. Dei o meu melhor, não consegui bater o recorde mundial. Mas, aos 41 anos, isso mostra que a idade realmente é só um número. Quem se dedica, quem tem foco, consegue chegar lá. Não tem segredo, mas tem de abrir mão de muita coisa – disse o nadador.

Foi uma prova intensa desde o início. Tão forte que Szebasztian Szabo, da Hungria, maior rival de Nicholas, acabou fora do pódio, em quarto lugar. O brasileiro, porém, dominou a disputa desde o início para fincar seu lugar no topo do pódio.

Nicholas chega à 11ª medalha em Mundiais de piscina curta. Só Cesar Cielo, com 12, tem mais conquistas que o brasileiro na competição.

Revezamento fica em quarto no 4x50m medley

Na primeira prova do dia, por pouco a medalha não veio. No revezamento 4x50m medley, a equipe brasileira, formada por Gabriel Fantoni, João Gomes Jr., Vinícius Lanza e Gabriel Santos, terminou em quarto lugar, com o tempo de 1min31s91. Rússia e EUA, com 1min30s51, empataram em primeiro lugar, com a Itália levando o bronze.

João voltou à piscina um tempo depois para as semifinais dos 50m peito. O brasileiro, com 25s86, fechou com o quinto melhor tempo e avançou à briga por medalha, nesta terça-feira.

– Minha prova é difícil. Não posso errar nada, apesar de ter dado uma erradinha na ida. Agora é jogar todas as fichas e ir para cima. Vou me recuperar, dar uma soltada. Ver as análises de velocidade, frequência e montar a prova de amanhã. Não importa o tempo. Mas a gente sabe que, por uma medalha, precisa ser abaixo de 25s80.

Gabriel Santos também voltou à piscina para disputar as semifinais dos 100m livre. O brasileiro, porém, não conseguiu avançar à final: terminou em oitavo lugar na sua bateria, com 47s37.

Nas semifinais dos 100m borboleta, Giovanna Diamante nadou a 56s88. Foi a primeira vez que a brasileira conseguiu um tempo abaixo de 57s. Mas, ainda assim, não conseguiu avançar à disputa por medalhas.

– Estou feliz, primeira vez abaixo dos 57s. Estou satisfeita. É meu primeiro Mundial, estou muito feliz por estar aqui, participando.

Na final dos 400m medley, Brandonn Almeida ficou fora do pódio. O brasileiro terminou na sétima posição, com 4min08s77. Na última prova do dia, o revezamento 4x200m livre feminino, formado por Nathalia Almeida, Viviane Jungblut, Giovanna Diamante e Gabrielle Roncatto, terminou em sétimo lugar, com 7min51s87.

(GE GLOBO)

COMPARTILHE

Recomendado para você

alegria
Autor de dois gols no último jogo, Esli quer “transmitir alegria” quando entra em campo
invicto
Com derrota da Tuna, Paysandu é o único invicto do Campeonato Paraense
FPF
Caeté e Águia repudiam ataque racista contra o atacante Fidelis
Parazão
Júlio foca em “corrigir erros” da Tuna para reverter vantagem do São Francisco no jogo de volta das quartas