Carajás Esporte

verde

Vasco usa a força de sua casa e de suas crias para acalmar turbulência e voltar a vencer

Invicto em São Januário e com brilho da garotada, time se recupera após derrotas como visitante e reforça a confiança no acesso

De volta ao aconchego de São Januário, o Vasco deu uma resposta em campo e ganhou fôlego na maratona pelo acesso. Após dias turbulentos, com seguidas derrotas fora de casa, o time precisou retornar a seu habitat natural, o Rio de Janeiro, onde segue invicto em 14 jogos , para reencontrar a vitória e a paz. A equipe tem um aproveitamento de 76% como mandante na Série B.

Não foi, porém, um resultado fácil. O 2 a 1 sobre o Guarani, nesta quarta, foi justo, mas teve seus momentos de tensão. Thiago Rodrigues, mais uma vez, foi decisivo, com ao menos duas defesas importantes durante o jogo. O brilho, no entanto, foi todo da garotada. E isso passa pela escalação de Emílio Faro.

Início morno

 

Não chegava a ser um ambiente hostil, mas o cenário antes de a bola rolar em São Januário era de apreensão e pressão. Antes do jogo, parte da torcida pediu por jogadores e treinador.

Após atuações muito criticadas contra CSA e Bahia, Emílio Faro veio com uma formação diferente. Trocou Matheus Ribeiro por Léo Matos na lateral, mas as mudanças mais significativas foram no setor ofensivo. Os jovens Marlon Gomes e Eguinaldo receberam oportunidades – a primeira do centroavante de 18 anos como titular. E corresponderam, ao lado de outro jovem, Andrey, jogador mais talentoso e regular da equipe.

Eguinaldo comemora gol em Vasco x Guarani — Foto: André Durão

Eguinaldo comemora gol em Vasco x Guarani — Foto: André Durão

Desde o início se notou o Vasco mais leve e com mais movimentação na frente, mas ainda com dificuldades na criação. Apesar do maior volume, poucas finalizações. Emílio iniciou o jogo com Alex Teixeira aberto na esquerda e Eguinaldo centralizado. Diante das dificuldades, inverteu a dupla de posição.

E justamente em uma jogada de aproximação e movimentação pelo lado esquerdo que o Vasco chegou ao gol. Nenê notou Andrey se infiltrando na área. O camisa 8 cruzou para Eguinaldo, que tocou de primeira para Alex Teixeira, que foi derrubado. Pênalti convertido em gol por Nenê.

– O Eguinaldo é um 9, mas com facilidade de jogar ao lado do campo. Trouxemos o Alex porque o lateral-direito do Guarani na verdade é um zagueiro e não tinha a necessidade de o Alex compor ali. Só que nessa situação de o Alex ficar mais por dentro e se aproximar mais do Nenê, do Eguinaldo e do Andrey – e o primeiro gol surge assim, com essa aproximação deles -, colocamos o Eguinaldo mais no lado de campo. E ele deu solução tanto na composição defensiva quanto na aproximação do ataque, pela vitalidade que ele tem – explicou Emílio após a partida.

Marlon Gomes e Andrey Santos em Vasco x Guarani — Foto: Daniel Ramalho / Vasco

Marlon Gomes e Andrey Santos em Vasco x Guarani — Foto: Daniel Ramalho / Vasco

Com a vantagem, o Vasco tentou controlar a partida, mas sofreu sustos, especialmente na jogada aérea. De cabeça, Yuri quase marcou. Foi preciso Thiago Rodrigues fazer sua primeira grande intervenção. Antes do intervalo, Eguinaldo puxou contra-ataque e deixou Nenê na cara do gol. O camisa 10, no entanto, chutou rente à trave.

Brilho de Andrey e Eguinaldo

 

Os primeiros minutos da etapa final foram eletrizantes. Com apenas 20 segundos, Marlon lançou Andrey, que arrancou pelo meio, chutou, a bola desviou e sobrou para Eguinaldo ampliar. Com o gol, se desenhou um segundo tempo tranquilo para o Vasco, mas não foi o que aconteceu.

Aos 5 minutos, Thiago Rodrigues fez uma linda defesa em cabeçada de Isaque. Na sequência, em cobrança de escanteio, Anderson Conceição cabeceou e marcou contra. Dois lances seguidos pelo alto, que vem sendo o maior problema defensivo do Vasco.

– Até essa rodada o Vasco era a oitava equipe que mais sofreu gols em bolas paradas. É um ajuste que estamos fazendo. Vamos ajustar. Mas somos a terceira equipe que mais marcou em bolas paradas. Mas realmente é algo que temos que ajustar para não sofrer mais gols assim – disse Emílio.

Vasco, Guarani, São Januário — Foto: André Durão

Vasco, Guarani, São Januário — Foto: André Durão

O gol do Guarani trouxe de volta o clima de apreensão a São Januário. Marlon Gomes, que voltava de lesão e fazia boa partida, foi substituído por Figueiredo. Algo que já estava programado, mas gerou vaias para Emílio Faro.

Com o time visivelmente mais cansado, o Vasco trocou os veteranos Nenê e Alex Teixeira pelos jovens Pec e Palácios. Com Figueiredo e Pec abertos e ajudando na marcação, o Vasco conseguiu controlar o ímpeto do Guarani pelos lados de campo e teve chances para ampliar. Eguinaldo quase marcou um golaço em arrancada desde o campo de defesa. Fábio Gomes, que entrou na parte final, teve duas boas chances.

Nos acréscimos, o Guarani ensaiou uma pressão, o Vasco recuou, mas se portou bem e garantiu a vitória que garantiu os três pontos e trouxe de volta a confiança no acesso, a 11 rodadas do fim da Série B.

COMPARTILHE

Recomendado para você

alegria
Autor de dois gols no último jogo, Esli quer “transmitir alegria” quando entra em campo
invicto
Com derrota da Tuna, Paysandu é o único invicto do Campeonato Paraense
FPF
Caeté e Águia repudiam ataque racista contra o atacante Fidelis
Parazão
Júlio foca em “corrigir erros” da Tuna para reverter vantagem do São Francisco no jogo de volta das quartas