Carajás Esporte

verde

Curtiu ou não?

Torcedores de Remo e Paysandu falam da expectativa para 2022

Nesta segunda-feira, 3, Remo e Paysandu vão iniciar a preparação para a temporada 2022. Campeonato Paraense, Copa do Brasil e Brasileirão da Série C – a princípio – são as competições que os dois rivais de Belém vão disputar durante o ano. Apesar dos treinos serem retomados nesta segunda-feira, a “preparação” dos clubes vem acontecendo desde o início de dezembro de 2021, quando contratações e renovações foram anunciadas.

Pelo lado do Remo, 11 jogadores já foram confirmados – entre renovações e contratações – no elenco para 2022. Só na última semana, a diretoria azulina anunciou um pacote com cinco jogadores, dentre eles os atacantes Vanilson, ex-Manaus, e Veraldo, ex-Águia, além do lateral direito Rony, cria da base do clube e que estava no Castanhal.

Para o azulino Rafael Leitão, as contratações que estão sendo feitas, até o momento, “não foram muito animadoras”. O universitário destaca como ponto positivo neste início de planejamento o retorno do técnico Paulo Bonamigo ao comando do time e acredita que, com a conquista da Copa Verde, pode fazer a diferente durante a temporada que vai começar no próximo dia 27 de janeiro.

“Esse início de ano até agora não foi muito animador pro Remo. As renovações foram importantes, mas as contratações até agora não empolgaram. Com exceção, talvez, da volta do Bonamigo, que é um técnico experiente, identificado com o clube e que conquistou o acesso em 2020. Após o título da Copa Verde, houve uma mudança de mentalidade no clube. Algo que há muito tempo se cobrava. Bentes prometeu não só buscar o acesso novamente, mas também os títulos. O Remo precisa parar de montar um elenco com várias apostas, pois sabemos que na Série C, que é um campeonato de tiro médio, e um deslize pode custar caro. O ano de 2021 ficou de lição. Se o Remo realmente quer ir mais além do acesso, vai ter que investir em jogadores mais qualificados. Só assim pra amenizar o rebaixamento melancólico do ano passado”, disse.

Já pelo lado bicolor, o estudante Arthur Rodrigues conta que a expectativa é para que o Paysandu monte um “time competitivo”. Além disso, ele espera que a categoria de base do clube seja vista com “carinho” pela diretoria e comissão técnica durante esta temporada. O torcedor do Papão detalha ainda o que ele acredita que precisa ser feito de diferente para que o time consiga o sonhado retorno ao Brasileirão da Série B.

“A minha expectativa é que o Paysandu monte um time bem mais competitivo, que contrate jogadores que honrem a camisa, porque nos últimos anos não subimos justamente por isso. Tenho a expectativa também que valorizem a base. Vejo muito bons jogadores no sub-17 e no sub-20. Sobre fazer diferente, o Paysandu precisa parar de trazer jogador que está encostado no seu time, jogadores que já jogaram bem a três anos atrás, Grampola foi um exemplo disso. Acho que o Paysandu está começando bem. Fazendo contratações interessantes. Espero que no final de tudo, possamos conseguir o acesso à série B de 2023”.

Até o momento, o Paysandu já confirmou 14 contratações e dispõe de um plantel com 27 jogadores.

(ROMANEWS)

COMPARTILHE

Recomendado para você

alegria
Autor de dois gols no último jogo, Esli quer “transmitir alegria” quando entra em campo
invicto
Com derrota da Tuna, Paysandu é o único invicto do Campeonato Paraense
FPF
Caeté e Águia repudiam ataque racista contra o atacante Fidelis
Parazão
Júlio foca em “corrigir erros” da Tuna para reverter vantagem do São Francisco no jogo de volta das quartas