Carajás Esporte

verde

INJÚRIA RACIAL

Remo se manifesta sobre racismo contra jogadora do Paysandu

A atacante Silmara, do Papão, teria sofrido xingamento racistas de um homem que estava ao lado de fora do campo

No início da noite do último domingo (23), o Paysandu, veio a público relatar um caso de injúria racial contra a atacante Silmara, após o clássico contra o Clube do Remo, realizado no Centro Esportivo da Juventude (CEJU), onde o Leão venceu por 3 a 0.

O racista proferiu as seguintes palavras: “Essa 9, essa macaca, nem faz gol”. Imediatamente, Silmara desabou no gramado e teve uma crise de choro. A jogadora, que foi amparada pelo restante da equipe, precisou de ajuda até para sair de campo, já que ficou bastante abalada com a situação.

Na manhã desta segunda-feira (24), o Leão se pronunciou pela primeira vez sobre o ocorrido, lamentando e repudiando o ato de injúria racial. “O Clube do Remo lamenta e repudia o ato de injúria racial ocorrido na tarde do último domingo (23), no clássico RexPa, no Ceju, pelo Campeonato Paraense de Futebol Feminino”, diz nota.

O clube ainda deseja que o ato seja investigado e o responsável punido de acordo com as leis vigentes no país. “Esperamos que a partir de agora atos como esse não se repitam, que o fato seja investigado e que sejam tomadas as providências cabíveis”, continua.

LEIA A NOTA NA ÍNTEGRA 

O Clube do Remo lamenta e repudia o ato de injúria racial ocorrido na tarde do último domingo (23), no clássico RexPa, no Ceju, pelo Campeonato Paraense de Futebol Feminino.

O Clube se solidariza com a atleta do Paysandu, Silmaria, assim como nossa goleira Kailane, que relatou também ter sofrido ofensas.

Reiteramos nosso repúdio a todo e qualquer ato de racismo e discriminação, sendo tais condutas incompatíveis com os valores e história do Clube.

A intolerância, a discriminação e o preconceito precisam ser combatidos, seja no esporte ou em qualquer lugar na sociedade. 

Esperamos que a partir de agora atos como esse não se repitam, que o fato seja investigado e que sejam tomadas as providências cabíveis. E, reconhecemos que, para tais pautas, não há cor, raça, credo, religião e muito menos escudos que nos diferenciam ou nos tornem mais ou menos que o próximo.

Fonte: DOL

COMPARTILHE

Recomendado para você

alegria
Autor de dois gols no último jogo, Esli quer “transmitir alegria” quando entra em campo
invicto
Com derrota da Tuna, Paysandu é o único invicto do Campeonato Paraense
FPF
Caeté e Águia repudiam ataque racista contra o atacante Fidelis
Parazão
Júlio foca em “corrigir erros” da Tuna para reverter vantagem do São Francisco no jogo de volta das quartas