Carajás Esporte

verde

UFC 278

Usman admite: cada defesa de cinturão “fica mais difícil”

Campeão dos meio-médios lembra lição aprendida antes de ter o cinturão e promete luta diferente na revanche contra Leon Edwards: "Porque vou fazer dela diferente"

Campeão dos pesos-meio-médios, Kamaru Usman vai para sua sexta defesa do cinturão neste sábado, no UFC 278, em Salt Lake City, com muita pressão nas costas. Considerado o melhor lutador peso-por-peso da atualidade, o “Pesadelo Nigeriano” pode igualar a marca de Anderson Silva de 16 vitórias consecutivas no octógono, recorde do Ultimate (a companhia considera que a sequência de 17 vitórias de Jon Jones foi interrompida por um “No Contest” – a revanche contra Daniel Cormier anulada por doping), se vencer Leon Edwards.

Trata-se de uma revanche de uma luta que Usman venceu em 2015 por decisão unânime dos juízes. Mesmo assim, a crescente atenção da mídia e a pressão de superar cada apresentação com outra melhor começam a incomodar o campeão.

– Teve uma vez que eu estava no córner do Rashad (Evans), nos bastidores, e perguntei a alguns treinadores no vestiário, antes de eu começar a trabalhar com Trevor (Wittman) e ele me deu esta resposta, que fica mais difícil conforme você fica maior. E sinto isso, fica mais difícil, pois há muito mais em jogo para se perder. Mas isso dito, para mim nunca lutei pelo barulho, por ser grande e famoso, era pela competição. Enquanto eu me mantiver focado nisso e sempre quiser competir o melhor que eu posso e eu me preparar da melhor forma, eu vou ter o resultado que quiser todas as vezes – afirmou o nigeriano em entrevista ao Combate esta semana.

Desde aquela luta em 2015, Edwards não perdeu mais. São nove vitórias consecutivas (sequência que também tem um “No Contest” no meio, a luta sem resultado contra Belal Muhammad em que deu um cutucão acidental no olho do adversário) sobre alguns dos melhores lutadores da divisão. Usman reconhece a evolução do jamaicano naturalizado britânico, mas não esquece de sua própria evolução no meio-tempo, em que trocou os treinos na atual Sanford MMA pelo trabalho no Colorado com Trevor Wittman, para comentar sobre suas expectativas para o duelo.

– Vai ser muito diferente, porque eu estou muito diferente e ele está muito diferente também, acho. Para mim, será uma luta diferente, porque farei dela uma luta diferente.

Um fator que move Kamaru Usman é a busca por respeito. Apesar de ter cada vez maior admiração do público, o campeão dos meio-médios ainda se sente desrespeitado e mantém esse sentimento como combustível.

– Acho que nunca vou me sentir (respeitado) até que eu tenha parado no esporte. É meio que a natureza humana. Você não aprecia as coisas de verdade até perdê-las. Que nem eu não apreciava minha mão esquerda até eu machucá-la. Pensei, “M***, eu preciso dela!” Então leva tempo, mas quando eu parar, eles vão (respeitar).

COMPARTILHE

Recomendado para você

alegria
Autor de dois gols no último jogo, Esli quer “transmitir alegria” quando entra em campo
invicto
Com derrota da Tuna, Paysandu é o único invicto do Campeonato Paraense
FPF
Caeté e Águia repudiam ataque racista contra o atacante Fidelis
Parazão
Júlio foca em “corrigir erros” da Tuna para reverter vantagem do São Francisco no jogo de volta das quartas