Carajás Esporte

verde

UFC: em português, Grasso exalta duelo com Vivi: “Confiaram na gente”

Mexicana faz questão de responder perguntas em português, quer mostrar evolução no chão após aprendizado com treinadores brasileiros e ressalta que se encontrou no peso-mosca

Alexa Grasso chegou à entrevista exclusiva com o Combate, em Las Vegas, nesta semana, querendo mostrar seu conhecimento num novo idioma. A mexicana conversou com a reportagem em português, que disse ter aprendido com o seu treinador de jiu-jítsu Diego Lopes, lutador manauara radicado no México há sete anos. Foi na língua da adversária que Grasso ressaltou a importância de o duelo peso-mosca (até 56kg) com Viviane Araújo estar na luta principal do card de sábado no UFC Apex.

– Comecei com interesse de aprender português há três anos porque estava aqui em Las Vegas e ouvi muitos atletas brasileiros e gostei de como escutava o idioma. Eu estava com curiosidade. Também é muito parecido (com o espanhol), por isso que achei um “pouquinho” fácil (…). E a verdade é que estou muito emocionada e agradecida pela oportunidade do UFC porque eles confiaram na gente. Eles sabem que somos muito fortes, muito agressivas e acho que é uma luta importante. Cinco rounds também uma boa oportunidade para as duas, porque é um “pré” de como seria uma luta pelo campeonato.

Alexa Grasso respondeu em português a entrevista com o Combate antes de duelo com Viviane Araújo — Foto: Evelyn Rodrigues

Alexa Grasso respondeu em português a entrevista com o Combate antes de duelo com Viviane Araújo — Foto: Evelyn Rodrigues

 

Aos 29 anos, a lutadora de Guadalajara soma 14 vitórias e três derrotas no cartel. Atual número 5 da categoria, Alexa Grasso vem numa boa fase, tendo vencido Ji Yeon Kim, Maycee Barber e Joanne Wood nas últimas lutas. A brasileira Viviane Araújo aparece logo abaixo, na sexta posição.

– Gosto muito de ver mulheres que lutam. Eu sigo sua carreira (de Viviane), mas honestamente sou fã de todas as lutadoras porque sei tudo que a gente precisa para estar aqui no topo do mundo, de uma categoria muito difícil, de uma organização muto difícil.

Sobre a luta principal de sábado, a mexicana espera poder mostrar que tem evoluído no jogo de chão, justamente com o apoio de Diego Lopes e do também brasileiro e manauara Alessandro Costa. Grasso é faixa-roxa no jiu-jítsu (duas antes da faixa-preta).

– Não é muita a diferença (entre nós) nos números, mas acho que uma vitória sobre Viviane vai colher muitas coisas importantes para mim. Estou mostrando nas últimas lutas que meu jogo de chão, do jiu-jítsu e do wrestling está evoluindo. Sei que ela é faixa-preta (de jiu-jítsu) e gosto disso, de ter desafios, porque é onde realmente você pode mostrar tudo que trabalha (…). Num mundo ideal gostaria de finalizar. Na última luta tive a oportunidade de finalizar com um mata-leão, e gostaria de novo de mostrar o quanto estou trabalhando meu chão.

A série invicta de Grasso também coincide com sua subida do peso-palha (até 52kg) para o peso-mosca. Na categoria mais leve, a mexicana somou três vitórias e três derrotas, numa fase de altos e baixos que se encerrou com sua nova divisão.

– Gosto muito de estar nessa categoria porque quando comecei a treinar e lutar estava muito jovem, tinha 19 anos, estava pequena, magrinha (risos). A cada mudança eu estava crescendo, meus músculos estão mais fortes, e como mulher também, tem sempre um ponto que seu corpo muda. 125 (libras) é perfeito para mim – concluiu.

Fonte: GE

COMPARTILHE

Recomendado para você

Rogério Ceni
Com piadas e sorrisos, Ceni traz versão paz e amor para Salvador: “Sorria, você está na Bahia”
VASCO
777 Partners se aproxima de acerto para compra do Everton
BOTAFOGO
Bruno Lage diz que protegeu elenco do Botafogo em coletiva: “Quero a pressão em mim”
copa do brasil
São Paulo tem maior tempo livre para treinos desde o Paulistão