Carajás Esporte

verde

Mulheres lideram

Homens vencem cinturões, mas mulheres lideram 2021 positivo do Brasil no UFC

Charles do Bronx e Glover Teixeira se tornaram campeões, mas foi ala feminina quem puxou para cima aproveitamento de 52,2% do Esquadrão Brasileiro. Confira os números

2021 foi um ano bom para o Esquadrão Brasileiro no UFC. Apesar de a companhia ter permanecido longe do território verde-amarelo devido às restrições à presença de público em locais fechados pela maior parte do ano (com a recente liberação de 100% de capacidade, já há planos para encerrar essa ausência em 7 de maio de 2022), os lutadores do Brasil venceram mais do que perderam nos confrontos diretos com estrangeiros, mesmo lutando muitas vezes contra atletas “da casa”.

O número de cinturões permaneceu o mesmo de 2020, três, mas sua distribuição mudou. Agora, dois brasileiros são campeões entre os homens (Charles Do Bronx no peso-leve e Glover Teixeira no peso-meio-pesado; Deiveson Figueiredo perdeu o título peso-mosca) e só um cinturão permanece sob a guarda de Amanda Nunes, o do peso-pena; ela perdeu o título peso-galo em dezembro.

Vamos aos números:

Em 2021, o UFC promoveu 136 lutas entre um lutador brasileiro e um estrangeiro. Foram 71 vitórias para o Esquadrão Brasileiro, 63 derrotas, um empate e um “No Contest” (luta sem resultado), um aproveitamento de 52,2%. Porém, quando divididos os números entre homens e mulheres, os homens ficaram abaixo de 50%, com 44 vitórias, 51 derrotas e um “No Contest”, enquanto as mulheres venceram 27, perderam 12 e empataram uma, um aproveitamento de 67,5%.

Isto se reflete na posição dos brasileiros nos rankings ao final de 2021. Descontando os campeões, são 18 brasileiros colocados nos top 15 das oito categorias masculinas de peso, ou seja, cerca de dois por divisão. As mulheres, em comparação, têm 14 ranqueadas nas três categorias femininas que têm top 15 (apesar de promover cada vez mais lutas entre mulheres no peso-pena, o UFC segue sem montar um ranking para a divisão, e lista Norma Dumont, que fez suas últimas duas lutas no pena, como peso-galo), uma média que beira três por categoria.

Esta aglutinação de brasileiras nos top 15 do UFC também se traduz em mais confrontos diretos entre compatriotas. Dos 12 duelos entre dois brasileiros em 2021, oito foram entre mulheres, seis deles no peso-palha, categoria que tem seis brasileiras no top 15. Marina Rodriguez esteve em dois deles: venceu Amanda Ribas no começo do ano e Mackenzie Dern em outubro para se colocar como a número 1 do país.

Curiosamente, as duas categorias masculinas em que o Brasil ganhou campeões em 2021 foram também duas das que tiveram pior desempenho no ano. O peso-leve teve cinco vitórias e 11 derrotas de brasileiros e o peso-meio-pesado teve só duas vitórias e cinco derrotas.

Categoria masculina com mais brasileiros no top 15: peso-mosca (Deiveson Figueiredo, Alexandre Pantoja, Rogério Bontorin e Matheus Nicolau) e peso-galo (José Aldo, Marlon Moraes, Pedro Munhoz e Raphael Assunção)

Categoria feminina com mais brasileiras no top 15: peso-palha (Marina Rodriguez, Mackenzie Dern, Amanda Ribas, Amanda Lemos, Virna Jandiroba e Luana Pinheiro)

Categoria com mais vitórias sobre estrangeiros em 2021: peso-mosca feminino (11)

Categoria com mais derrotas contra estrangeiros em 2021: peso-leve (11)

E como o Brasil conquistou suas vitórias e derrotas no UFC em 2021?

Foi um ano em que o Esquadrão Brasileiro fez o torcedor sofrer até o fim: 63 das 136 lutas (46,3%) foram decididas pelos juízes. Dessas, os brasileiros venceram 35 (ou 55,5%), seja por decisão unânime, dividida ou majoritária; perderam 27 (ou 42,8%) e empataram uma.

Quando a luta terminou antes disso, geralmente significou uma derrota brasileira – e por nocaute: os brasileiros perderam 26 lutas por nocaute ou nocaute técnico e venceram apenas 20 desta maneira. No chão, o jiu-jítsu brasileiro fez a diferença – mas por pouco: foram 15 vitórias e 10 derrotas por finalização. O “No Contest” foi um confronto entre Alan Nuguette e Mason Jones encerrado no meio do segundo assalto porque o brasileiro teve o olho cutucado acidentalmente pelo galês e não teve condições de continuar.

Quais brasileiros venceram mais lutas em 2021? Marina Rodriguez, Amanda Lemos e Bruno Blindado, com 3 (inclui lutas contra outros brasileiros)

Qual brasileiro perdeu mais lutas em 2021? Carlos Diego Ferreira, com 3.

(GE GLOBO)

COMPARTILHE

Recomendado para você

CABEÇA FRIA
Abel põe “cabeça fria” à prova para não ficar fora de eventual final da Libertadores com o Palmeiras
PALMEIRAS
Por que Jhon Jhon é a melhor opção para substituir Dudu hoje
Guardiola
Guardiola rasga elogios a Rico Lewis, joia do City: “Um dos melhores que treinei”
ORIENTE MÉDIO
Moisés é liberado pelo Londrina após receber proposta de time do Oriente Médio