Carajás Esporte

verde

Roubou a luta

Doumbé detalha derrota na PFL após decisão polêmica do árbitro: “Roubou a luta”

Camaronês, que perdeu invencibilidade após Marc Goddard encerrar luta enquanto ele reclamava de estilhaço no pé, reclama: "Ele disse: 'não pare, continue'. Pensei: não quer entender, nem quer ouvir"

Na última quinta-feira, o final da luta principal da PFL Europa ficou marcada por uma decisão polêmica de Marc Goddard, árbitro do combate. No confronto meio-médio (até 77kg), o camaronês radicado na França Cédric Doumbé, lenda do kickboxing, perdeu para o russo Baissangour Chamsoudinov, também criado em terras francesas, por nocaute técnico, após decisão controversa do juiz.

Em entrevista ao programa “The MMA Hour”, Doumbé compartilhou sua versão da derrota e disse que havia um estilhaço em seu pé. No entanto, no momento do ocorrido, não conseguiu explicar o problema para Goddard, pois não sabia como se referir ao termo “estilhaço” em inglês.

– No início, se você ver a filmagem, tentei retirá-la sozinha com o outro pé. Não deu certo. Então, levantei a mão, falei com o árbitro e disse: “Tenho uma coisa debaixo do pé.” Como não sabia dizer ‘estilhaço’, disse que tinha algo debaixo do pé. Ele disse: “não pare, continue.” Aí pensei: ele não quer entender, ele nem quer ouvir.

Chamsoudinov, adversário do camaronês, até tentou ajudá-lo ao se comunicar com o árbitro sobre o problema do rival, mas o desentendimento já estava feito.

– Então olhei para ele e ele viu que havia algo errado com meu pé, e disse: “o que há de errado?” Eu disse: “tenho uma farpa (em francês) debaixo do pé.” É irritante. Basta removê-la. E então ele (Chamsoudinov) conversou com o árbitro, disse algo como: “deixa ele tirar aquela coisa.” Aí parei também, olhando para o árbitro, e ele parou a luta – disse Cédric.

Entretanto, logo em seguida, Marc Goddard interrompeu a disputa e decretou nocaute técnico a favor de Baissangour.

– Fiquei chocado. O árbitro disse: “você não pode parar a luta”. Eu disse: “sim, eu sei, mas não parei a luta.” Depois de tudo, estamos bem. Eu estava bem, estava relaxado. Eu disse: “Marc, posso conversar? você me disse que não posso parar a luta. Essas são as regras. Eu continuei, continuei lutando. Mas na segunda vez não parei a luta. Baki conversou com você e então você me impediu.” Ele disse: “você não pode parar a luta.” Ele não queria me ouvir. Fiquei muito triste, porque treinamos três meses, eu e minha equipe fizemos muito marketing daquela luta, estava esgotado, todo mundo estava orgulhoso, todo mundo estava esperando aquela luta, e o Marc Goddard simplesmente roubou a luta. Eu realmente não entendo – completou Doumbé.

COMPARTILHE

Recomendado para você

alegria
Autor de dois gols no último jogo, Esli quer “transmitir alegria” quando entra em campo
invicto
Com derrota da Tuna, Paysandu é o único invicto do Campeonato Paraense
FPF
Caeté e Águia repudiam ataque racista contra o atacante Fidelis
Parazão
Júlio foca em “corrigir erros” da Tuna para reverter vantagem do São Francisco no jogo de volta das quartas